Olha aí, olha aí a saúde, dona Maria!

//Olha aí, olha aí a saúde, dona Maria!

Olha aí, olha aí a saúde, dona Maria!

A feira livre oferece doses de prevenção contra doenças cardiovasculares em forma de frutas, legumes e folhas
Ir à feira é um hábito que tem resistido ao tempo, à facilidade das compras on-line e à concorrência com os supermercados. O segredo não está bem na gritaria típica dos feirantes, mas dentro das frutas, legumes, folhas, grãos, sementes e até carnes que costumam ser expostos nas barracas e deixam as ruas mais coloridas e perfumadas.
As pesquisas não param de revelar novas substâncias na maioria dos alimentos vendidos em feiras livres que são poderosas para a nossa saúde. Mas nem é preciso estar antenado a todas essas novidades para acreditar que alimentos naturais e fresquinhos têm um impacto positivo para o bom funcionamento do organismo. Não é mesmo?
O último estudo coordenado pelo Centro de Diabetes da Universidade de Lund, na Suécia, e publicado na revista Science Translational Medicine, por exemplo, sugere que o brócolis pode ser um importante aliado na prevenção do diabetes tipo 2. Um extrato feito com um composto (glucorofanina) presente no broto desse vegetal conseguiu reduzir em mais de 10% os níveis de açúcar no sangue de pessoas obesas e que estavam com a doença fora de controle. Isso ocorreu, porque no organismo esse composto é transformado em sulforafano, um antioxidante capaz de reduzir a produção de glicose pelo fígado.
É claro que a concentração de glucorofanina oferecida aos voluntários durante três meses era cem vezes maior do que a encontrada naturalmente no brócolis. Mas esse achado e tantos outros, mais uma vez, só reforçam a importância da adoção de hábitos mais saudáveis à mesa desde muito cedo e ao longo da vida. É por isso que ir à feira sempre será um programão.
As melhores escolhas para o coração
Para quem deseja encontrar nas barracas boas opções para afastar os riscos de doenças cardiovasculares, há escolhas para todos os gostos. A nutricionista Maristela Strufaldi, coordenadora do Departamento de Nutrição da Sociedade Brasileira de Diabetes, apontou os alimentos mais indicados (confira ao final da matéria), mas aproveitou para apontar a ida à feira como um ótimo passo para começar a investir na reeducação alimentar e para cuidar da saúde de forma integral.
“Em alimentação, as palavras-chave são diversidade e equilíbrio”, garante Maristela, que também é especializada em Saúde da Mulher pela Universidade de São Paulo (USP). Segundo a nutricionista, uma alimentação colorida, não monótona, mais do que oferecer uma proteção cardiovascular, faz toda a diferença, se quisermos ter mais disposição, vitalidade e longevidade.
Ela também recomenda que a preferência seja, sempre que possível, pelos orgânicos. “Na ausência, escolha alimentos do mês ou da estação, porque não são expostos a agrotóxicos e apresentam maior concentração de elementos antioxidantes e bioativos”, ensina. Essas substâncias, de acordo com a nutricionista Maristela, são importantes para o bom funcionamento dos órgãos, a redução do colesterol e a proteção da saúde cardiovascular.
A seguir, os alimentos que não podem sair da lista de quem pretende proteger o coração, enriquecendo o seu cardápio diário:
Beterraba, repolho e cebola roxos, tomate, morango, melancia, uva roxa e amora. Esses alimentos de cor avermelhada são ricos em resveratrol e antocianinas, substâncias que combatem os radicais livres presentes no organismo e ajudam a retardar o envelhecimento das células.
Espinafre, rúcula, agrião e outras folhas verde-escuras. Contêm magnésio, precursor da serotonina – a substância que promove uma sensação de bem-estar, atua na diminuição do estresse, ajuda no sono, equilibra o ritmo cardíaco, entre outras ações vitais ao bom funcionamento do organismo.
Sardinha, atum e salmão. Além de serem uma ótima opção à carne vermelha, esses peixes oferecem o ômega 3 – um tipo de gordura insaturada que é importante fonte de energia, tem ação anti-inflamatória, fortalece o sistema imunológico, melhora o desempenho cognitivo e auxilia a absorção de vitaminas. “O ômega 3 é reconhecido como um nutriente que protege a saúde cardiovascular e a do cérebro. Mas, para isso, o ideal é que uma dessas opções de peixe seja incluída na dieta ao menos uma vez por semana”, recomenda a nutricionista Maristela Strufaldi.

Castanhas e amêndoas, abacate, sementes de linhaça e chia. São alimentos saudáveis pela oferta de gorduras mono e poli-insaturadas, que são as tais gorduras saudáveis, benéficas para o cérebro e o coração. Mas devem ser consumidos com moderação. “Castanhas e amêndoas, especialmente, são calóricas e, em excesso, podem provocar acúmulo inadequado de gordura no organismo”, avisa a nutricionista. Também vale um destaque para a linhaça, que é um dos alimentos mais ricos da natureza em ômega 3 e que contém compostos antioxidantes poderosos para proteger coração, intestino e afastar os riscos de alguns tipos de câncer.
Brócolis, couve-flor, couve-de-bruxelas, repolho e folhas de mostarda. Todos esses alimentos possuem um composto (glucorofanina) que, segundo pesquisa recente (e citada nesta matéria), pode ser um importante aliado na prevenção do diabetes tipo 2. E sabemos que o diabetes é um dos principais fatores de risco para doenças cardiovasculares.

By | 2017-10-13T12:16:46+00:00 outubro 13th, 2017|Categories: Uncategorized|Comentários desativados em Olha aí, olha aí a saúde, dona Maria!

Sobre o Autor:

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Nam viverra euismod odio, gravida pellentesque urna varius vitae. Sed dui lorem, adipiscing in adipiscing et, interdum nec metus. Mauris ultricies, justo eu convallis placerat, felis enim ornare nisi vitae.