Coração e Pílula – Mitos e Verdades

//Coração e Pílula – Mitos e Verdades

Coração e Pílula – Mitos e Verdades

Ginecologista e cardiologista explicam qual o impacto desses medicamentos para o coração das mulheres – e os principais mitos e verdades nessa história

 

A pílula anticoncepcional surgiu na década de 60 e é reconhecida como símbolo de uma revolução sexual feminina – que marcou a liberdade de escolha das mulheres no campo afetivo e em todos os outros. Também inspirou uma indústria de contraceptivos e ainda é o método mais usado no mundo para evitar a gravidez.

Hoje, as pílulas evoluíram e vão além. Algumas agem diretamente no controle das dores e dos sintomas que acompanham a menstruação, combatendo inclusive a TPM. Mas, apesar de todos os benefícios, os médicos lembram que elas são um medicamento como outro qualquer. E que, portanto, podem provocar efeitos colaterais e até oferecer riscos à saúde.

Sobre o seu uso aumentar as chances de uma mulher desenvolver uma doença cardiovascular, os especialistas alertam que esse risco é maior entre aquelas com predisposição para esse tipo de problema ou com uma rotina de hábitos prejudiciais à saúde. Tanto que a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que mulheres com diabetes, obesidade, hipertensão e fumantes, por exemplo, diminuam a exposição aos anticoncepcionais hormonais. Saiba por que e desvende de uma vez o que é mito e o que é verdade.

 

As pílulas anticoncepcionais orais – que contêm hormônios – favorecem a ocorrência de acidente vascular cerebral e infarto do miocárdio.

Verdade. Esses métodos contraceptivos estão, sim, mais associados aos riscos, porque, entre outros efeitos, aumentam a pressão arterial. “Mas esses riscos dependem muito da predisposição de cada mulher para doenças cardiovasculares, de como é a sua rotina alimentar e se tem vícios, como o tabagismo”, esclarece o ginecologista e obstetra Domingos Mantelli, que atende no Hospital Israelita Albert Einstein, São Luís e Pró-Matre. Por isso o médico recomenda: se for tomar pílula, pratique atividades físicas, cuide mais da alimentação, pare de fumar e não faça uso desse método por muito tempo.

 

A mulher com problema cardíaco não pode usar métodos contraceptivos.

Mito. Após uma análise detalhada de exames para diagnosticar o grau do problema cardíaco, o ginecologista recomendará o contraceptivo ideal para a paciente. Há vários métodos à disposição no mercado, com diferentes combinações hormonais ou sem a presença de hormônios: anticoncepcionais orais, DIU, camisinha, entre outros.

 

O uso de pílulas anticoncepcionais com estrogênio e progesterona é contraindicado para mulheres com doença cardíaca congênita.

Verdade. Dependendo da gravidade da cardiopatia, seu uso é contraindicado, porque pode aumentar os riscos de complicações.

 

Todo tipo de pílula pode causar coágulos sanguíneos e aumentar a pressão arterial.

Mito. Isso dependerá da predisposição da paciente para essas doenças. Por isso, é primordial que o ginecologista peça a realização de exames periódicos e investigue o histórico de doenças preexistentes ou cardiovasculares na família da paciente.

 

A pílula anticoncepcional causa trombose.

Mito. Desde que o uso seja livre da influência de cigarros e que a mulher não tenha outros fatores de risco para trombose(*) diagnosticados em exames. O cigarro unido à pílula é uma bomba, por engrossar o sangue, complicar a circulação sanguínea e, portanto, facilitar a formação dos trombos (coágulos). “O tabagismo pode aumentar até 13 vezes o risco de trombose venosa em mulheres que fazem uso da pílula”, alerta o cardiologista Eduardo Pesaro, do Hospital Israelita Albert Einstein. Nesse tipo de trombose, os coágulos são formados nas pernas, entopem as veias e podem migrar para os pulmões, levando à embolia pulmonar.

 

(*)Você sabe o que é o Fator V de Leiden?

Trata-se de uma mutação genética que pode aumentar muito o risco de a mulher sofrer de alguma doença cardiovascular, porque interfere na coagulação do sangue. O diagnóstico é feito por meio do exame Papanicolau e permite que, a partir desse resultado, o ginecologista indique um método que não estimule a coagulação sanguínea.

 

Dica dos especialistas

 

Toda mulher que decide usar um método contraceptivo deveria…..

 

… realizar exames periódicos.

… jamais escolher por conta própria um método contraceptivo.

… consultar sempre um ginecologista.

… ser orientada a investigar trombofilia (que é a predisposição

à formação de coágulos venosos).

By | 2017-08-18T14:33:22+00:00 agosto 14th, 2017|Categories: Corpo|Comentários desativados em Coração e Pílula – Mitos e Verdades

Sobre o Autor:

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Nam viverra euismod odio, gravida pellentesque urna varius vitae. Sed dui lorem, adipiscing in adipiscing et, interdum nec metus. Mauris ultricies, justo eu convallis placerat, felis enim ornare nisi vitae.